Fale Conosco   |   WebMail   

Notícias & Artigos

Artigo aceito pela Revista Scielo da Fonoaudióloga Mariele Boscaini Zandavalli

 

 INTRODUÇÃO

A audição é um dos sentidos fundamentais à vida, desempenhando um papel importante no desenvolvimento da comunicação humana. Sua integridade promove o processamento das informações sonoras, desejáveis ao longo de toda a vida.

Entretanto, a perda auditiva tem sido um fator incapacitante para muitas pessoas. De acordo com estimativas em 2005 da Organização Mundial de Saúde (OMS), 278 milhões de pessoas têm perda auditiva, ou seja, uma em cada 40 pessoas 1. No Brasil, de acordo com a OMS, estima-se que esse número deve estar ao redor de 15 milhões, sendo que destes, 350 mil nada ouvem 2.

Um dos fatores etiológicos destas perdas auditivas seria o processo de envelhecimento humano 3,4. Este processo começa em torno dos 50 anos. Vinte e três por cento da população entre 65 e 75 anos apresentam perda auditiva relacionada à idade, e a partir dos 75 anos esta porcentagem aumenta para 40 % 5.

O declínio da acuidade auditiva pode ser influenciado e agravado por fatores intrínsecos e extrínsecos como: doenças sistêmicas, alcoolismo, exposição ao ruído, estresse, ototoxidade, distúrbios metabólicos e vasculares, e fatores hereditários 6. A perda auditiva que acomete o envelhecimento humano é denominada presbiacusia e é definida em senso estrito como uma perda progressiva da sensibilidade auditiva em função da idade 7.

A lesão provoca perda em sons agudos e prejuízo na discriminação das palavras; a característica nos achados audiológicos é a perda auditiva neurossensorial bilateral com curva descendente, o índice de reconhecimento de fala rebaixado e a imitanciometria apresenta-se com timpanograma normal e reflexos estapédicos presentes ou ausentes 8.

Esta dificuldade apresenta características psicológicas como retração, pessimismo, isolamento, frustração e o bem estar emocional prejudicado, mobilidade reduzida e comunicação interpessoal diminuída 9. Conforme estudos realizados, há evidências de que a perda auditiva em função do envelhecimento humano tem grande prevalência nos sintomas de depressão e influência no aspecto cognitivo do sujeito 10,11.

Para diminuir os efeitos da perda auditiva existe um sistema de amplificação, que além de minimizar os efeitos da privação sensorial auditiva, permite o resgate da percepção dos sons em geral, como os da fala e ambientais 3.

A seleção do AASI requer uma seqüência a ser cumprida: seleção do tipo de prótese que cabe a cada paciente, seleção e confecção dos moldes auriculares, decisão entre adaptação binaural ou monoaural, processamento do sinal a ser utilizado, tipo de amplificação, características acústicas selecionadas individualmente, condições estéticas, nível de expectativa e ansiedade do paciente e, finalmente, processo de testes e adaptação 12 .

Os principais profissionais envolvidos no processo de seleção e adaptação de um AASI são os Otorrinolaringologistas e Fonoaudiólogos. O Otorrinolaringologista deve ser consultado antes de o indivíduo ser submetido à seleção de AASI e reconsultado após a adaptação do aparelho, pois é importante para o diagnóstico. Já o Fonoaudiólogo possui papel principal na habilitação ou reabilitação do indivíduo com deficiência auditiva, devendo o mesmo considerar as variáveis: grau de atenção dispensado ao processo de seleção e adaptação do AASI, treinamento auditivo, orientações quanto à audição e quanto ao AASI, avaliação periódica da audição, leitura orofacial e terapia da fala - bem como transmitir essas informações aos familiares. Além disso, é importante ressaltar a importância do candidato ao uso do AASI, o qual deve apresentar aspectos de conscientização do handicap auditivo e o grau de perda de audição, além de aspectos do sofrimento experimentado pelo mesmo, seja ele no plano social, econômico, financeiro, cultural ou psicológico 13-15 .

Enfim, os procedimentos importantes relacionados à seleção e adaptação são: anamnese detalhada, análise dos dados audiológicos, configuração do audiograma, limiares de desconforto, tipo de adaptação, índice de reconhecimento de fala e características eletroacústicas (melhor desempenho), escolha do molde, orientações e cuidados, experiência domiciliar e etapas finais de acompanhamento 13 .

Vale ressaltar, que em países considerados Terceiro Mundo, apenas uma em cada oito pessoas adquire a prótese, em função do aspecto financeiro que acaba sendo um obstáculo16,17 . Atualmente há doações de AASI, feitas por instituições que trabalham com o Sistema Único de Saúde (SUS), seguindo um dos itens da Portaria da Política Nacional de Atenção à Saúde Auditiva, que aponta o desenvolvimento de estratégias de promoção da qualidade de vida, educação, proteção e recuperação da saúde e prevenção de danos, protegendo e desenvolvendo a autonomia e a eqüidade de indivíduos. Portanto, é preciso que a prevenção e a reabilitação auditiva sejam integrantes dos planos municipais, diretores e de regionalização dos estados e do Distrito Federal, uma vez que a realidade mostra grande número de idosos sem o uso do AASI devido ao baixo poder aquisitivo e os altos custos dos procedimentos, como cita artigo da Portaria 18 .

O presente estudo tem como objetivo geral verificar a rotina de testes realizados em Centros Auditivos com pacientes candidatos ao uso do aparelho de amplificação sonora individual (AASI), na cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, e, como objetivos específicos, estabelecer as avaliações, a testagem (testes mais utilizados), verificar os modelos e tecnologia mais indicados, bem como é realizada a adaptação.

 

 MÉTODOS

Esta pesquisa consiste em um estudo observacional e transversal, com o objetivo de identificar quais os procedimentos rotineiros nos testes de AASI em Centros Auditivos na cidade de Porto Alegre, RS, em indivíduos na faixa etária de 50 a 90 anos candidatos ao uso de prótese auditiva.

Este estudo foi realizado através de um questionário que foi preenchido pelos (as) fonoaudiólogos (as) dos Centros Auditivos que aceitaram - mediante assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido - a participar do mesmo, explicando os procedimentos utilizados durante a seleção e adaptação do AASI.

A amostra total foi constituída por 14 centros auditivos que atendem pacientes candidatos ao uso do aparelho de amplificação sonora individual, na cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Os dados foram compostos por fonoaudiólogos atuantes nos centros auditivos, sendo que foi consultado (a) um (a) fonoaudiólogo (a) de cada estabelecimento. Trata-se, portanto, de uma amostra não-probabilística por conveniência. Os critérios de inclusão foram: todos os Centros Auditivos atuantes na área de comercialização de próteses auditivas na cidade de Porto Alegre, RS, bem como, em caso de haver matriz e filial de uma mesma empresa ou marca específica, apenas a matriz participou da pesquisa. Os critérios de exclusão utilizados foram: Centros Auditivos que não tinham um profissional responsável técnico, no caso um (a) fonoaudiólogo (a). Foram consideradas as questões e avaliações realizadas referentes ao questionário, englobando indivíduos da faixa etária de 50 a 90 anos.

O instrumento de avaliação foi um questionário elaborado por meio de bibliografia específica (Figura 1) 13, que foi entregue nos Centros Auditivos pelas pesquisadoras com o objetivo de estabelecer a rotina, o Protocolo de avaliação, a idade mais freqüente dos indivíduos candidatos ao uso, os tipos de AASI mais indicados, verificar a adaptação, se há experiência em domicílio, se são dadas orientações à família ou responsáveis e se há preferência de indicações de AASI com sinal digital. Enfim, foram descritas as técnicas utilizadas no processo de seleção, indicação e adaptação de AASI nos Centros Auditivos 19 .

A entrega do questionário foi realizada pessoalmente pelas pesquisadoras e o preenchimento foi feito pelo (a) fonoaudiólogo (a) responsável, quando então foi recolhido dos Centros Auditivos pelas pesquisadoras, em visita direta aos estabelecimentos, marcada previamente via contato telefônico.

Após a coleta de dados foi feita uma análise dos resultados obtidos a partir dos itens que foram investigados, buscando-se estabelecer o roteiro de teste e um protocolo de atendimento de pacientes candidatos ao uso de AASI em Centros Auditivos de Porto Alegre.

Esta pesquisa foi avaliada e aprovada como sem risco pelo Comitê de Ética em Pesquisa do CEFAC - Saúde e Educação, sob número 232/06, tendo sido necessário o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.

Na análise estatística foram utilizadas as freqüências absoluta e relativa para a descrição das variáveis. Para cálculo das estatísticas, utilizou-se o software SPSS (Statistical Package for the Social Sciences) versão 10.0 e o Microsoft Excel 2000.

 

 RESULTADOS

Como resultados da pesquisa há dados indicativos de que 100% dos centros auditivos fazem: otoscopia, audiometria tonal limiar por via aérea e via óssea e pré-moldagem. Destacaram-se também alguns testes que são pouco praticados, timpanometria (n=1, 7,1%), pesquisa de reflexo contralateral (n=1, 7,1%), pesquisa de reflexo ipsilateral (n=1, 7,1%), teste de Rinne (n=1, 7,1%) e ganho de inserção (n=4, 28,6%). A distribuição dos centros auditivos conforme a rotina de testes realizados está apresentada na Tabela 1.

A razão do profissional não realizar os exames de imitanciometria acústica foi o fato de não possuir o equipamento adequado (n=8; 76,7%), apontado como os mais freqüentes motivos da não realização desses exames (Figura 2).

Na verificação dos tipos de aparelhos auditivos, moldes auriculares e tecnologia mais indicados pelos centros auditivos (Tabela 2), o tipo de aparelho de amplificação sonora mais indicado é o retroauricular (n=10; 71,4%), seguido pelo intra-aural: intra-canal (n=6; 42,9%) e posteriormente pelo intra-aural: microcanal (n=2; 14,3%).

Quanto aos moldes auriculares, é o invisível simples que detém a maioria das indicações (n=12, 85,7%). A ordem de freqüência da indicação está apresentada na Figura 3. A tecnologia mais indicada por todos é a digital.

A distribuição dos centros auditivos conforme a adaptação (experiência domiciliar e tempo) do AASI está apresentada na Tabela 3. As faixas etárias mais comumente adaptadas são as de 60 a 69 anos (n=10; 71,4%) e 70 a 79 anos (n=8; 57,1%). O tipo de adaptação mais utilizado é monoaural (n=11; 78,6%).

Cem por cento (n=14) dos profissionais realizam orientações quanto ao uso e cuidados básicos do AASI aos familiares ou responsáveis pelo candidato. Fazem também acompanhamento após a aquisição do aparelho auditivo. Apenas 1 (7,1%) centro auditivo não faz experiência de uso prévio do AASI em domicílio antes da aquisição e o tempo dessa experiência prévia é em torno de uma semana para a maioria (n=7; 53,8%) dos centros estudados (Figura 4).

Quanto à forma de acompanhamento após a aquisição do aparelho de amplificação sonora, as respostas foram variadas e estão apresentadas na Figura 5.

 

 DISCUSSÃO

É com o intuito de verificar o protocolo de avaliação para seleção e indicação de AASI, e, considerando que o processo de envelhecimento da função auditiva é incapacitante e a principal etiologia na Política Nacional da Pessoa com Deficiência Auditiva 20,21, observou-se que a maioria dos centros auditivos realiza mais da metade dos testes propostos, sendo que os únicos realizados por todos eles foram a otoscopia e a audiometria tonal limiar por via aérea e por via óssea.

Tendo em vista que a perda da sensibilidade auditiva e os problemas associados à compreensão da fala interferem na qualidade de vida dos humanos, é de suma importância que a realização dos processos de seleção e adaptação de aparelhos de amplificação sonora individual (AASI) sigam alguns pré-requisitos fundamentais 22. Estes deverão incluir os seguintes procedimentos: audiometria tonal limiar por via aérea e por via óssea; a audiometria vocal ou logoaudiometria; a pesquisa dos limiares de desconforto; medidas de ganho de inserção; audiometria em campo livre; e a imitanciometria. Em análise do presente estudo, dentre os procedimentos pouco praticados pelos centros auditivos, a imitanciometria seria a de maior importância para o processo de seleção e adaptação de AASI, e em segundo lugar, pode-se citar também, a importância das medidas do ganho de inserção 23.

Em relação à imitanciometria, a maioria dos centros auditivos não a realiza em função de não possuir o equipamento. Mas segundo embasamento teórico, o exame tem o intuito de avaliar as condições da orelha média e detectar a presença do recrutamento objetivo de Metz. É através deste exame que se pode avaliar e detectar alterações contra-indicadas à adaptação de AASI, tais como presença de secreção na orelha média, alterações da membrana timpânica, entre outras, além de avaliar o limiar de audibilidade mínima, prever a saída máxima dos aparelhos de amplificação sonora avaliando-se a presença do recrutamento objetivo de Metz, fazer o diagnóstico diferencial entre perdas auditivas condutivas, e ainda identificar se a lesão é coclear ou não, aspectos importantes para uma protetização bem sucedida 23 .

No que se refere ao ganho de inserção, os resultados de sua aplicação são extremamente versáteis, e quando bem utilizado, o método permite o registro do desempenho do AASI. É um instrumento poderoso no processo de seleção e adaptação destes aparelhos, fornecendo dados objetivos e informações essenciais ao processo, permitindo maior precisão nos ajustes e na avaliação das características da amplificação recebida pelo indivíduo deficiente auditivo 24. Ao que se refere aos centros auditivos pesquisados, o ganho de inserção é pouco aplicado em relação a sua importância.

Quanto ao tipo AASI mais indicado, obteve-se como o mais indicado o modelo retroauricular, seguido pelo intra-aural: intra-canal e logo após o intra-aural: microcanal. Assim, os resultados encontrados na pesquisa condizem com os estudos da literatura, a qual relata que os modelos retroauriculares são melhores por apresentarem tamanho suficiente para mais opções de circuitos adicionais a fim de melhorar a qualidade sonora. Permitem ainda níveis de amplificação consideráveis, maior versatilidade de circuito, potência e facilidade de manipulação. Em relação aos modelos intra-aural: intracanal e intra-aural: microcanal, quando indicados, estão diretamente relacionados à busca por uma melhor estética para que o aparelho fique menos visível, além de oferecer limitações em relação a acrescentar controles e ajustes para proporcionar um ganho acústico menor 6. Conseqüentemente, o resultado dos moldes auriculares mais indicados pelos centros auditivos é o invisível simples, que está relacionado com o modelo de AASI, ou seja, o retroauricular, uma vez que este é o molde usualmente indicado para este modelo 13 .

A tecnologia dos aparelhos de amplificação sonora individual indicada foi unânime para todos os centros auditivos, ou seja, a digital. Além de ser a tecnologia mais recente, é a que apresenta um processamento de sinal que se adapta automática e continuamente à variação acústica do ambiente, além de apresentar programas mais fidedignos aos dados da perda auditiva, sendo assim, é a tecnologia que oferece mais recursos para uma boa adaptação 3,25,26.

No que se refere ao tipo de adaptação, seja ela monoaural ou binaural, sabe-se que a adaptação binaural é sempre a primeira opção de escolha na adaptação de um AASI, e, somente quando houver alguma contra-indicação, opta-se pela adaptação monoaural 8. No estudo apresentado, o tipo de adaptação mais utilizado foi o monoaural, o que diverge dos padrões indicados. Isto é atribuído à realidade econômica financeira da população em geral, de países como o Brasil 1,16. Por outro lado, conforme a portaria da saúde referida anteriormente, o candidato tem o direito de requerer o AASI através do SUS.

Quanto às orientações de uso e cuidados básicos do AASI, e o acompanhamento do usuário após a aquisição do mesmo, a pesquisa revelou que todos os centros auditivos realizam tais procedimentos, assim como a maioria deles realiza experiência de uso prévio desses aparelhos, havendo apenas uma variação de tempo entre os centros auditivos. Estes resultados foram bastante satisfatórios uma vez que estes procedimentos são de suma importância para uma adaptação bem sucedida. O benefício proporcionado ao usuário implica na importância do incentivo à experiência domiciliar antes da aquisição do mesmo, pois é durante este período que ele terá condições de vivenciar o que a amplificação sonora individual irá lhe proporcionar nos vários ambientes que freqüenta 27 .

Durante a realização deste estudo, foi verificada que a compreensão e validação das etapas necessárias na seleção e adaptação do aparelho de amplificação auditiva precoce e corretamente, são fundamentais para o sucesso do processo de adaptação. É importante salientar que certos procedimentos são realmente necessários na contribuição para um melhor desempenho do ponto de vista comunicativo, melhor reconhecimento de fala nas diversas situações de vida diária, melhor integração social e, com isso, melhoria da qualidade de vida do indivíduo deficiente auditivo.

 

 CONCLUSÃO

Os resultados permitiram concluir que os procedimentos realizados na seleção e adaptação de AASI em paciente candidato ao uso, não diferem significativamente entre os Centros Auditivos pesquisados. Em relação às avaliações e testes, os únicos realizados por 100% dos centros auditivos foram a otoscopia e a audiometria tonal limiar por via aérea e via óssea. Já no que se refere a seleção e adaptação de AASI, a pré-moldagem é realizada por todos os centros. É importante salientar que, teoricamente, procedimentos como a imitanciometria e a medida do ganho de inserção têm papel imprescindível no processo de seleção de AASI. Já no que diz respeito à modelo e tecnologia mais utilizados, houve consenso nos resultados. Todos indicam com maior freqüência o modelo retroauricular e a tecnologia digital, o que condiz com a versatilidade de circuitos e tecnologia mais avançada.

Em relação à adaptação do AASI, foi observado que os resultados foram satisfatórios, ou seja, a maioria dos centros pesquisados realiza experiência domiciliar; e todos fornecem orientações de uso e acompanhamento após a aquisição do AASI.

Mediante análise dos dados, o presente trabalho permitiu concluir que a rotina de testes realizada no processo de seleção e adaptação de AASI é, em sua completude, fundamental para o bom resultado da protetização, contribuindo efetivamente para a comunicação e qualidade de vida do indivíduo deficiente auditivo.

 

 AGRADECIMENTOS

Agradecemos aos nossos pais, pelo incentivo, carinho e compreensão, pelas oportunidades que sempre nos ofereceram, não somente nesta formação, mas em muitas outras durante toda nossa vida.

Aos nossos companheiros, pelo amor, apoio e principalmente pela paciência nesse período.

Aos nossos educadores, pelo partilhar do conhecimento, a cooperação, a dedicação, e, sobretudo, o exemplo.

 

 REFERÊNCIAS

1. World Health Organization. Deafness and hearing impairment. [homepage na internet] Geneva. 2006; 3p. Disponível em: URL:http://www.wholis.com.         [ Links ]

2. Fortes SGF, Francesco RCD, Bento RF, Miniti A. Liga de prevenção à surdez: análise de três anos de atuação. Arq Int Otorrinolaringol. 2005; 6(4):302-9.         [ Links ]

3. Magni C, Freiberger F, Tonn K. Avaliação do grau de satisfação entre os usuários de amplificação de tecnologia analógica e digital. Rev Bras Otorrinolaringol. 2005; 71(5):650-7.         [ Links ]

4. Caso ACGN, Carvallo RMM. Estudo audiométrico em aldeias indígenas do estado de São Paulo. Arq Int Otorrinolaringol. 2003; 7(3):232-9.         [ Links ]

5. Vilares CM, Carbajo JSR, Calvo JD, Pello MEF, Blanco PP, Risue T. Perfil lipidico de la sordera ligada al envejecimiento. Nutr Hosp Madrid. 2005; 20(1):52-7.         [ Links ]

6. Barros PFS, Queiroga BAM. As dificuldades encontradas no processo de adaptação de aparelhos de amplificação sonora individual em indivíduos idosos. Rev CEFAC. 2006; 8(3):375-85.         [ Links ]

7. Musiek FE, Rintelmann WF. Perspectivas atuais em avaliação auditiva. São Paulo: Manole; 2001. p.5        [ Links ]

8. Frota S. Fundamentos em fonoaudiologia. Audiologia. 2. ed. São Paulo: Guanabara Koogan; 2003. 180p.         [ Links ]

9. Marini ALS, Halpern R, Aerts D. Sensibilidade, especificidade e valor preditivo da queixa auditiva. Rev Saúde Públ. 2005; 39(6):982-4.         [ Links ]

10. Zazove P, Meador HE, Aikens JE, Nease DE, Gorenflo DW. Assessment of depressive symptoms in deaf persons. J Am Board Fam Med. 2006; 19(2):141-7.         [ Links ]

11. Murphy DR, Daneman M, Schneider BA. Why do older adults have difficulty following conversations? Psychol Aging. 2006; 21(1):49-61.         [ Links ]

12. Matas CG, Iorio MCM. Verificação e validação do processo de seleção e adaptação de próteses auditivas. In: Almeida K, Iorio MCM. Próteses auditivas: fundamentos teóricos e aplicações clínicas. 2. ed. São Paulo: Lovise; 2003. p. 306-22.         [ Links ]

13. Campo CAH, Russo ICP, Almeida K. Indicação, seleção e adaptação de próteses auditivas: princípios gerais. In: Almeida K, Iorio MCM. Próteses auditivas: fundamentos teóricos e aplicações clínicas. 2. ed. São Paulo: Lovise; 2003. p. 35-54.         [ Links ]

14. Fifer R, Rees T. Professional work for audiology services: ASHA advocates for changes in medicare valuation. The ASHA Leader. 2007; 12(17):5-6.         [ Links ]

15. Turner RG. The hearing aid expert: audiologist, dealer, or otolaryngologist? Am J Audiol. 1998 oct; 7(2):5-20.         [ Links ]

16. World Heath Organization. Hearing aids and services for developing countries. Pan Am J Public Health. 2001 mar; 10(2):139-42.         [ Links ] .

17. Amlani AM, Silva DG. Effects of economy and FDA intervention on the hearing aid industry. Am J Audiol. 2005; 14(1):71-9.         [ Links ]

18. Brasil. Portaria N° 2.073. Institui a Política Nacional de Atenção à Saúde Auditiva. Ministério da Saúde do Brasil. 2004 28 set. Disponível em URL: http://portal.saude.gov.br         [ Links ]

19. Mondelli MFCG, Blasca WQ. Processo de adaptação de aparelhos de amplificação sonora individual: teorias e técnicas norteadoras. Rev Fono Atual. 2000; 12:16-20.         [ Links ]

20. Marques ANO, Koslowski L, Marques JM. Reabilitação auditiva no idoso. Rev Bras Otorrinolaringol. 2004; 70(6);806-11.         [ Links ]

21. Ferreira MIDC, Signor RT. O perfil do idoso usuário de próteseauditiva: um estudo da satisfação. Rev Fonoaudiologia Brasil. 2006; 4(2):9-10.         [ Links ]

22.Kopstein O.Otorrinolaringologia e fonoaudiologia no processo de indicação, seleção e adaptação de prótese auditiva. [monografia] Porto Alegre (RS): CEFAC - Saúde e Educação; 1999. 35p.         [ Links ]

23. Russo ICP, Almeida K. Considerações sobre a seleção e adaptação de próteses auditivas para o idoso. In: Almeida K, Iorio MCM. Próteses auditivas: fundamentos teóricos e aplicações clínicas. 2. ed. São Paulo: Lovise; 2003. p.177-90.         [ Links ]

24. Costa MJ, Couto CM, Almeida K. A utilização das mensurações in situ na avaliação do desempenho das próteses auditivas. In: Próteses auditivas: fundamentos teóricos e aplicações clínicas. 2. ed. São Paulo: Lovise; 2003. p 141-60.         [ Links ]

25. Levit H. Digital hearing aids: wheelbarrows to ear inserts. The ASHA Leader. 2007 dec; 12(17):28-30.         [ Links ]

26. Newman CW, Sandridge SA. Benefit from, satisfaction with, and cost-effectiveness of three different hearing aid technologies. Am J Audiol. 1998 oct; 7(2):115-28.         [ Links ]

27. Pereira MB, Feres MCLC. Próteses auditivas. Surdez: implicações clínicas e possibilidades terapêuticas. Simpósio Medicina. 2005 Jul/Dez; 38(3/4):257-61.         [ Links ]

 

 


publicado em 08/04/2010

Todas as publicações


 

 

 

Untitled Document

Detecta - Avaliação Auditiva

Rua Domingos José de Almeida, 161 - Porto Alegre/RS | CEP: 90420-200
Fone: (51) 3398-8998 e (51) 8402-3403
Teste da Orelhinha (Emissões Otoacústicas)

criação: sitesrapidos.com.br